sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Porque é que as feministas atacam a família?




A contemporânea guerra cultural e politica contra a família tem várias causas, sendo o feminismo a mais significante. As feministas da "Primeira Vaga" do início do século 20 não eram de todo contra a família. De facto, uma das suas exigências era a de que a lareira e a casa deveriam ser o domínio da mulher (Referencia). Foi só com a segunda vaga de feminismo - nos finais dos anos 60 - que o ataque feminista à família teve início.

Neil Lyndon, no seu livro de 1992 com o título  'No More Sex War', provavelmente foi o primeiro a rastrear as origens da segunda vaga do feminismo até à ideologia Marxista. Vale a pena lembrar o argumento de Lyndon.

Durante os anos 60 ocorreu uma vaga de assassinatos de elevada notoriedade: os Kennedys, Martin Luther King, Malcolm X, e assim por diante. Estes eventos, como ressalva Lyndon, cheiravam a corrupção e conspiração, mas o establishment político encolheu os ombros e não fez nada.

Aqueles que estavam preocupados aperceberam-se então que a Direita política não estava interessada; eles foram, para todos os efeitos, levados para a Esquerda em busca de soluções, e no contexto da Guerra Fria, a Esquerda politica significava o bloco Sino-Soviético. Como diz Lyndon, “Não tinhamos para onde ir senão para Leste”.

A Guerra Fria estava na sua força máxima e os jovens da classe média do mundo ocidental tornaram-se politicamente envolvidos em assuntos tais como a guerra do Vietname e os movimentos civis dos negros americanos. Existia um fosso geracional radical entre esta juventude e os seus progenitores, chegando até a um ponto de incompreensão mútua. Os jovens não encontraram nada na cultura política dos seus pais que lhes desse as respostas que eles buscavam. De facto, a cultura política dos seus pais era frequentemente identificada como a causa dos problemas.

As músicas populares da altura reflectiam estes sentimentos. A canção de David Bowie com o nome ‘Changes’  incluia frases como:

"Que desorganização! Vocês deixaram-nos mergulhados nela até ao pescoço" [“What a mess. You’ve left us up to our necks in it”]

 Havia um slogan popular nos lábios da juventude radical: não confiar em alguém com mais de 30 anos.

A geração jovem dos anos 60, que Lyndon identifica como a "Nova Esquerda", buscou inspiração na China e na União Soviética, adoptando o  Marxismo-Leninismo-Maoismo. O Marxismo tornar-se-ia na visão política de muitos dos jovens, incluindo as feministas, e Lyndon tenta identificar a forma como isto aconteceu.

De forma resumida, Karl Mark descreveu a sociedade em termos de luta entre classes económicas diferentes: os poderosos e "burgueses" donos das empresas, e as alienadas classes operárias do "proletariado". Marx declarou que "toda a história é a história da luta política". Devido a isto, ele viu a sociedade humana como uma caracterizada essencialmente pelo constante conflito entre grupos com interessses irreconciliáveis.

 A análise social de Marx foi enquadrada em termos de classes económicas, mas isto, alega Lyndon, foi adaptado pelo movimento dos Panteras Negras de modo a que ficasse enquadrado em termos raciais.

Em vez de termos uma sociedade onde ocorria uma luta de classes, os Panteras Negras olharam para o problema como uma luta entre raças. Isto, alega Lyndon, foi o ponto de partida da natureza fascista do pensamento da Nova Esquerda.

Por sua vez, este pensamento foi adoptado pelo movimento feminista da altura. A sociedade foi representada por elas em termos quasi-Marxistas como sendo uma luta histórica de sexo contra sexo, onde ao homem era conferido o papel do poderoso burguês e à mulher o papel do "proletariado" oprimido.

Portanto, Lyndon alega que as feministas dos finais dos anos 60 e inícios dos anos 70 foram fortemente influenciadas pelos direitos civis negros. Muitas historiadoras feministas concordariam. É interessante notar que John Lennon e Yoko Ono escreveram uma canção com o título ‘Woman is the nigger of the world’.

O slogan "O Pessoal é Político" é frequentemente associado ao feminismo, mas Lyndon alega que ele teve início junto dos Panteras Negras. Curiosamente, Jung Chang em Wild Swans atribui a expressão ao próprio Mao Tse Tung, de quem os Panteras Negras obtiveram a expressão, sendo mais tarde adoptada pelas feministas.

Esta mutação final da teoria Marxista para dentro da arena da política sexual foi a última grande modificação de paradigma na forma de pensar da Nova Esquerda. Consequentemente, esta é a herança ideológical que perdura até aos nossos dias.

Esta adopção por parte da teoria Marxista foi sem dúvida o motivo mais significativo por trás do ataque feminista à família.  É preciso levar em conta que por esta altura a pílula contraceptiva e o aborto seguro [sic] e legal encontravam-se disponíveis. Isto significava que pela primeira vez, as mulheres poderiam controlar a sua própria fertilidade. Antes disso, ter relações sexuais significava correr o risco de engravidar; desmantelar a família não era uma opção nessas circunstâncias. De certa forma, foi a pílula que tornou um ataque à família algo possível de se levar a cabo.

Marx, a família e a experiência soviética

De forma a entender o ataque feminista à família, é necessário entender o pensamento Marxista em torno do assunto. Marx, que viveu durante a revolução industrial, ficou impressionado com os feitos da produção mecânica. Ele olhava para as pessoas apenas como mais um componente dentro dum sistema de economia politica, e acreditava que, à nascença, o ser humano era um 'folha em branco' - o nosso pensamento era determinado pelo nosso ambiente e não por nada inerente. Ele via a família como um resquício de uma vida pastoral antiga, que não se enquadrava na idade das máquinas. Porque não industrializar também a produção de crianças?

Na década com início em 1840 Engels, colaborador de Marx, escreveu  'A origem da família, propriedade privada e do Estado' [The origins of the family, private property and the State]. Nele, Engels alega que o operário das fábricas serve os interesses do capital, e a sua esposa serve os interesses do operário. Tal como ele é um escravo da máquina da fábrica, ela é escrava dele. Ela é mal paga enquanto garante que o operário é capaz de trabalhar.  Ela tem também que gerar novos trabalhadores. Desta forma, ela serve os interesses do capitalismo.

Portanto, Engels caracteriza a família de uma forma desumana e altamente politicizada. Este livro tornou-se muito influente junto das feministas dos anos 60, e é, desde então, uma das razões principais por trás do ataque feminista à família.

A ideia da filhos industrializados foi levada até à sua conclusão lógica - e satirizada - no livro clássico de Aldous Huxley com o nome de "Brave New World".

Dominic Lawson, no seu ensaio "You can blame it all on Karl Marx" descreve como estas ideias foram tentadas - e abandonadas - pela União Soviética:

Nos primeiros anos da União Soviética houve uma genuína tentativa, melhor descrita por Ferdinand Mount no livro "The Subversive Family", de aplicar o pensamento Marxista à família. Lunacharski, o Comissário da Educação, declarou que "O nosso problema actual é acabar com a família é libertar a mulher do cuidado de crianças . . . . os termos "os meus pais", "os nossos filhos" gradualmente cairão em desuso."

Isto, alegou claimed Lunacharski, permitirá a transição para "a tal sociedade pública abrangente que substituirá a lareira doméstica, sim, essa unidade familiar que se distancia da sociedade. Um Comunista genuíno evitará tal emparelhamento matrimonial permanente e buscará satisfazer as suas necessidades através duma liberdade baseada em relacionamentos mútuos ... de modo a que seja impossível determinar quem é aparentado com quem. Isto é uma construção social."

As consequências desta política foram exactamente as mesmas que a "construção social" que observamos hoje em dia em algumas partes das nossas cidades: caos social, filhos abandonados, e um aumento rápido de doenças venéreas.

O Partido Comunista da União Soviética rapidamente começou a abandonar a visão familiar Marxista. Novas leis foram introduzidas que compeliam os cônjuges divorciados - e não o Estado - a contribuir para a sustento dos seus filhos. O divórcio foi dificultado e tornado mais dispendioso.

As feministas do início dos anos 70 estavam obviamente ignorantes das experiências soviéticas em torno da engenharia familiar - ou então escolheram ignorá-las. Erin Pizzey descreve a experiência de se juntar ao movimento feminista em 1971:

O meu primeiro encontro deixou-me cheia de dúvidas. O mesmo foi mantido num casa muito classe-média em Chiswick e eu olhei para os cartazes de Mao  nas paredes da sala de estar. Quando me perguntaram o porquê de eu estar ali, eu disse que o meu marido era um repórter televisivo e devido a isso raramente estava em casa; como tal eu sentia-me sozinha e isolada com os meus dois filhos.
O seu problema não é o seu isolamento mas o seu marido. Ele oprime-a e é um capitalista.
Eu ressalvei o facto dela também ter uma mensalidade da casa para pagar, e que longe de ser um "opressor", o meu marido tinha ficado em casa a tomar conta das crianças enquanto eu ia à reunião. O marido dela encontrava-se numa reunião sindical a organizar a fábrica "Brentford Biscuit", com a ajuda das suas qualificações em Ciência Política, como forma de preparar a revolução vindoura. 

O que a mulher não sabia é que eu era filha dum diplomata. Nasci na China e viajei o mundo inteiro com o meu pai. Também trabalhei para o Ministério das Relações Exteriores e estava bem ciente das atrocidades da Rússia e da China.

Depois, durante o chá, foi-nos assegurado que as mulheres eram um grupo minoritário. Eu ressalvei que as mulheres são 52% da população mundial. Foi-me dado o pequeno livro vermelho de Mao e uma cópia da revista SHREW magazine. Levei-a para casa e fiquei horrorizada com o ódio que a mesma vomitava contra os homens.

Pizzey foi eventualmente expulsa porque se recusou a condenar os homens e a família.

Através da leitura da literatura do Movimento das Mulheres, apercebi-me que aquelas milhares de mulheres a trabalhar em áreas educativas, bem como as jornalistas e as produtoras televisivas, encontravam-se determinadas em destruir a vida familiar inglesa. "Façam do pessoal algo político" era um dos seus estandartes. Como consequência disso, milhares de mulheres violentas e perturbadas atacaram as mulheres que se encontravam felizes no seu estilo de vida. Encontros secretos foram realizados (quase tudo era feito em segredo) e eu recebi uma carta . . . "você não deveria trabalhar no escritório ou frequentar algum dos colectivos."



17 comentários:

  1. Feminismo começa assim mesmo: MINHA casa, MEUS filhos, MINHAS regras - e rapidinho o marido fica sem autoridade, sem vez e sem voz (e sem utilidade). E tem que procurar outro lugar para viver.

    ResponderEliminar
  2. "De facto, uma das suas exigências era a de que a lareira e a casa deveriam ser o domínio da mulher. Foi só com a segunda vaga de feminismo - nos finais dos anos 60 - que o ataque feminista à família teve início."

    Erro. Os ataques sistemáticos à família já vinham de longe.

    ResponderEliminar
  3. Sandro comenta:
    A grande desgraça foi que o feminismo fez as mulheres entrarem nesse titanic ideológico e o que resultou foi que bilhões de homens, mulheres e crianças estão pagando caríssimo por isso. Graças a um grupelho militante, político e misândrico, estamos vendo nossa sociedade sendo desmantelada. As sociedades ocidentais aonde o feminismo é dominante estão em frangalhos, na bancarrota. Os únicos casamentos que ainda duram são daquelas pessoas mais velhas e quando essas morrerem assistiremos a sociedade formada por indivíduos isolados. Grandes grupos econômicos financiam atrás da moita a agenda feminista. As feministas se dizem de esquerda mas na verdade é o grande capital que as financia. Elas são massa de manobra e acham que são independentes. Indivíduos isolados são mão de obra barata e consomem mais que uma família. Os grupos que lucram usaram a natural misandria das feministas para atingir seus objetivos. E conseguiram. Só nos resta para nós homens barrar a discriminação e salvar nossas vidas e patrimônios

    ResponderEliminar
  4. Mas vem cá, qual o problema de uma mulher não querer seguir carreira de mãe?
    Não entendi o porque disso ser tão maligno... Pessoas fazem escolhas, nem todas nasceram pra criar familia. Deal with it.
    Eu concordo que o movimento feminista as vezes entra em guerra com os homens, e isso tb não faz sentido. Mas culpar as mulheres pela "destruicao da sociedade tradicional"?.. A sociedade tradicional não está ruindo, está mudando.
    Sabe o que vai acontecer com o mundo se existirem menos familias tradicionais? Nada, ele vai se adptar. Assim como já se adaptou a todas as mudancas que tivemos nessa nossa curta história.
    Não vejo problema da mulher controlar a propria vida, dizendo: Esseé o meu corpo, eu tenho controle sobre ele. Isso não é mais do que justo. Só acho errado quando as mulheres querem controlar o corpo dos homens, acussando-os de malignos.
    Mas o que senti que o texto está fazendo é exatamente o comportamento que critica: transformando a mulher na fonte de todo mau.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma mulher não querendo seguir "carreira de mãe"? Nenhum problema. O problema é quando a maioria não o deseja, ou apenas deseja parir e continuar a vida carreirista. Resultado: declínio quantitativo e qualitativo populacional [e a ruína econômica futura duma nação].

      Não é culpa das mulheres a destruição da família tradicional? Quem vem promovendo mudanças nos costumes, na família e no mercado do trabalho, os homens? Ou as mulheres, que querem destruir uma estrutura sem substitui-la por algo melhor?

      Sei o que vai mudar com a destruição da família tradicional: a destruição da sociedade tradicional [=criminalidade, promiscuidade, impiedade, gente desorientada e insegura, etc.]. Claro que muitos se "adaptarão": eles se tornarão criminosos, promíscuos, impiedosos, etc. Que mudança maravilhosa! Isso já está acontecendo!

      "Este é o meu corpo". O problema é achar que um bebê hospedado em seu corpo pode ser extirpado e assassinado livremente. O problema de se fazer o que quiser é fazer da vontade própria uma lei tirânica a violar a liberdade alheia. Muitas usam os corpos como bem o querem e depois fazem fila para terem os filhos sustentados pelo Estado ou pelos avós da criança [=irresponsabilidade].

      Todo o seu texto é uma tentativa de isentar a mulher de responsabilidades por atos inconsequentes que elas cometem desde o advento do feminismo. E não me convenceu de que os homens são os culpados das desgraças sociais atuais.

      Eliminar
    2. Será que és feminista? Lol


      "...Mas culpar as mulheres pela "destruicao da sociedade tradicional"?..."

      Me diz então, o que são os movimentos feministas onde AS MULHERES pregam a destruição do Homem com placas: Sem Pai, Sem Marido e Sem Patrão? Meu corpo, minhas regras, minha b....? Uma família não precisa de Homem?

      O que são esses movimentos que AS MULHERES levam crianças para violentar a sua inocência de forma a se criarem como v@di@s, porque as mães se intitulam assim e dessa forma querem viver?



      "...Sabe o que vai acontecer com o mundo se existirem menos familias tradicionais?..."

      Vai ser um mundo pior do que já é, com promiscuidade e lamento. Já percebeu como os jovens estão no descontrole dos pais nos últimos anos? Já percebeu a imensa falta de respeito que existe por todo lado em função da ausência dos Homens em casa? Já viu quantas mocinhas grávidas em período de alfabetização?
      Já viu quanta violência contra os Homens? Quantos perderam tudo pela extorsão de pensões absurdas? Quanto viram mendigos? Quantos se suicidam por só terem obrigações e nenhum direito, uma vez que o Estado as protege e financia de forma a acabar com os Homens e a família tradicional por ser benéfico para a política?

      Não é a mulher o problema, e sim, o movimento em que todas se envolvem pensando só nelas... no seu comportamento imoral, egoísmo e seu vitimismo diante de tantos privilégios se fazendo de coitada.

      Eliminar
    3. São comentários como esse que me fazem acreditar que ainda é possível encontrar uma mulher pra casar nos dias de hoje.

      Eliminar
    4. Confraria:
      Estás dizendo que, simplesmente, lugar de mulher é dentro de casa. Ter filhos e trabalhar fora seriam coisas incompatíveis, de acordo com seus escritos. Por que incompatíveis?
      Outra: isso é o que eu entendi, talvez entendi errado, porque você em nenhum momento escreveu claramente que lugar de mulher é dentro de casa e mulher decente não pode trabalhar. Se essa for sua opinião, eu gostaria que a proferisse claramente, de modo a não deixar dúvida.

      Eliminar
  5. O SENHOR VIU A NEFASTA LEGALIZAÇÃO DE RELAÇÕES HOMOSSEXUAIS, E, COM ELA , O RECRUDESCIMENTO DA IMORALIDADE E DA PERDIÇÃO NO MUNDO: (JB.6.65) POR CAUSA DISTO É QUE VOS TENHO DITO:
    (SL.78.1)- Escutai povo meu, a minha lei, prestai ouvidos às palavras da minha boca:(NE.4.19)–Disse eu aos nobres, aos magistrados, e ao resto do povo:(DT.29.10)–Vós estais hoje perante o Senhor vosso Deus, os cabeças das vossas tribos, e vossos anciãos, todos os Homens de Israel: (LS.6.2/4)–Ouvi, pois, ó reis, e entendei tomai a instrução ò Juízes de toda a terra, aplicai os ouvidos, vós, que governais os povos, e que gloriais de terdes debaixo de vós muitas nações; porque de Deus vos tem sido dado o poder, e do Altíssimo a força, o qual vos perguntará pelas vossas obras, e esquadrinhará os vossos pensamentos: (2CR.19.6) – Vede o que fazeis, porque não julgais da parte do homem, e sim, da parte do Senhor, e no julgardes Ele está convosco: (CL.3.17) – E tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação, fazei-o em nome do Senhor Jesus; dando por ele graças a Deus: (NM.32.23) –Porém, se não fizerdes assim, eis que pecastes contra o Senhor, e sabei que o vosso pecado vos há de achar; (DN.9.7) – como hoje se vê:
    (IS.1.10) – Ouvi a palavra do Senhor, vós, príncipes de Sodoma, prestai ouvidos à lei do nosso Deus, povo de Gomorra;(2CO.5.19) – porque importa que compareçamos ao tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo: (1CO.6.18) – Fugi da impureza: Aquele que pratica a imoralidade peca contra o próprio corpo: (EC.10.32) - Quem justificará ao que peca contra a sua alma? (1CO.4.16) – Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores; (1TS.4.4)– e que cada um de vós saiba possuir o próprio corpo em santificação e honra: (MT.26.41) – Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o Espírito na verdade está pronto, mas a carne é fraca: (PV.15.3) – Os olhos do Senhor estão em todo lugar contemplando os maus e os bons:(LC.6.10)–E, fitando todos ao redor, disse ao homem: (LV.18.22) – Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; é abominação: (1CO.6.9/10) Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: Nem impuros, nem idolatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas; nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de Deus:

    ResponderEliminar
  6. ALERTA AOS LEGISLADORES INFIÉIS QUE COGITAM DE REDUZIR A MAIORIDADE PENAL NO BRASIL E NO MUNDO, SEM CONHECER OS ENSINAMENTOS CRISTAOS:
    Senhores Deputados e Senadores:
    Não podemos permitir a DESTRUIÇÃO DA FAMÍLIA TRADICIONAL, pela queima irresponsável dos valores éticos e morais que devem formar o caráter e o ideal cristão de cada família humana, constituindo-as em células estruturais de toda sociedade civilizada:
    É preciso silenciar quem pensa e age com tamanho despropósito, porque demonstra claramente ser inimigo(a) de Deus e do seu povo:
    A formação da Família Cristã começa na infância, que deve merecer cuidados especiais à partir deste dia, pelo que Eu vos peço:
    Entendei que a intenção de diminuir a maioridade penal, visando combater o mal, não passa de mais uma ideia insensata, iníqua e nefasta; porque visa combater apenas o EFEITO DELINQUENTE, enquanto que se perpetua e se fortalece a CAUSA DA DELINQUENCIA, que a cada dia se torna mais potente para causar o descaminho, a perdição, o erro, a prisão, o sofrimento e a morte prematura de muita gente inocente, que não sabe o que faz:
    Porventura ignorais que já há crianças de 10 anos delinquindo, praticando toda sorte de delitos ou pecados Inconscientes? Nessa escala logo teremos que transferir a criança do berço diretamente para a cadeia, ou não?
    Na verdade, a nossa juventude tem sido arruinada na vida, como vitima ingênua da insanidade espiritual do meio em que se acha relegada; onde impera a mentira, aincredulidade, a ignorância e a maldade; porquanto não há conhecimento e nem temor de Deus.

    Até quando marginais inconsequentes e outros pecadores mentirosos, substituirão Professores Ajuizados na formação dos jovens? Até quando as Escolas Cristãs serão substituídas por presídios desumanos, por universidades do crime? Até quando dormireis o sono da inconsciência, deitados em berço esplêndido?
    Rogo-vos, pois, pelo bem comum, que: Refleti sobre os ensinamentos de Cristo, que sintetiza toda a questão no seguinte texto bíblico:
    (MT.23.1) Então, falou Jesus às multidões e aos discípulos, dizendo: (1CO.16.24) O meu amor seja convosco em Cristo Jesus: (RM.15.33) E o Deus da paz seja com todos vós: (LV.6.31) Como quereis que os Homens vos façam; assim fazei-o vós também a eles: (JZ.7.17) Olhai para mim e fazei como eu fizer, (JB.15.5) porque sem mim nada podeis fazer: (JB.13.34) Amai-vos uns aos outros como eu vos amei: (IS.1.17) Aprendei a fazer o bem, atendei a justiça, repreendei ao opressor, defendei o direito do orfão, pleiteai a causa das viúvas: (SL.82.4) Socorrei o fraco e o necessitado, tirai-os das mãos dos ímpios: (DT.3.22) Não os temais, porque o Senhor, vosso Deus, é o que peleja por vós:
    (PV.22.6) Ensinai a criança o caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele; (LS.3.11) porque desgraçado é o que rejeita a sabedoria e a instrução, a esperança dele é vã, e os trabalhos sem frutos, e inúteis as suas obras: (JB.8.25) Que é que desde o principio vos tenho dito? (JB.14.6) Eu sou o caminho, a verdade, e a vida: Ninguém vem ao Pai senão por mim: (MT.11.28) Vinde a mim todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei: (AM.5.4) Buscai-me e vivei: (LV.18.2) Eu sou o Senhor vosso Deus: (LV.19.4) Não vos virareis para os ídolos, nem fareis deuses de fundição; (LS.14.27) porque o culto dos ídolos é a causa e o princípio de todo o mal:
    (JS.23.14) Eis que, hoje, já sigo pelo caminho de todos os da terra; (AT.13.34) e cumprirei a vosso favor as santas promessas feitas a Davi, (LC.12.32) porque vosso Pai se agradou em dar-vos o seu reino: (MC.14.41) Ainda dormis e repousais! Basta! (CJ.) Despertai-vos, levantai e apressai em interagir conosco; (EF.5.16) remindo o tempo, porque os dias são maus; (DT.4.20) como hoje se vê.




    ResponderEliminar
  7. Resposta breve para a pergunta:
    as feministas atacam as famílias, mas somente aquelas que atacam as mulheres em sua dignidade e liberdade. As demais família são bem-vindas e bem mais felizes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "as feministas atacam as famílias, mas somente aquelas que atacam as mulheres em sua dignidade e liberdade"


      Como é que uma família "ataca as mulheres em sua dignidade e liberdade"?

      Eliminar
    2. Quando filhos e filhas são tratados de maneira diferente, quando maridos assumem o controle sobre as suas esposas, e por aí vai. O oposto disso seria uma família na qual há igualdade entre os seus componentes (isso inclui também que não é justo que a mulher assuma o controle sobre o seu marido).

      Eliminar
    3. Ana Paula Oliveira:
      Perfeito. Quando menino é criado para ser o "caçador", machão, incentivado pelo pai a ser pegador de mulheres, enquanto a menina é criada para ser totalmente submissa ao homem, sem graça, não raciocinar (porque se raciocinar, vai querer "trabalhar fora, e outros males da ideologia gay-feminista-islâmica-marxista-esquerdista-etc.), a família ataca as mulheres em sua dignidade e liberdade. Antes que digam qualquer coisa: sou homem, heterossexual, bem casado, pai, feliz.

      Eliminar
    4. nunca vi gay ser feliz, até porque depois da andropausa é cada um pro seu lado... feminista bosteja porque é retardada ou é retardada porque bosteja???

      Eliminar
  8. Se a família ataca a mulher, por que as mulheres continuam a casar com homens, isto é, constituir a unidade que a ataca? Não seria neste caso melhor ficarem solteiras e morando sozinhas?

    ResponderEliminar
  9. Muita informação boa pena que agora não tenho como ler tudo. Parabéns pelo site.

    ResponderEliminar

Os 10 mandamentos do comentador responsável:
1. Não serás excessivamente longo.
2. Não dirás falso testemunho.
3. Não comentarás sem deixar o teu nome.
4. Não blasfemarás porque certamente o editor do blogue não terá por inocente quem blasfemar contra o seu Deus.
5. Não te desviarás do assunto.
6. Não responderás só com links.
7. Não usarás de linguagem PROFANA e GROSSEIRA.
8. Não serás demasiado curioso.
9. Não alegarás o que não podes evidenciar.
10. Não escreverás só em maiúsculas.
-------------
OBS: A moderação dos comentários está activada, portanto se o teu comentário não aparecer logo, é porque ainda não foi aprovado.

ATENÇÃO: Não será aceite comentário algum que não se faça acompanhar com o nome do comentador. ("Unknown" não é nome pessoal).

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

PRINT