quarta-feira, 16 de Abril de 2014

Victoria Luckwell avisa os homens ricos para não casar

A filha dum dos homens mais ricos do Reino Unido avisou as mulheres ricas a não se casarem depois do seu marido "gold-digger" [interesseiro] ter recebido £1.2 milhão de pagamento após o seu divórcio. Victoria Luckwell, de 37 anos, cujo pai Mike fundou a "The Moving Picture Company", e cuja riqueza se estima que esteja na ordem dos £135 milhões, afirmou que o sistema legal  Britânico actual agia como um "desincentivo" para os ricos se estes tivessem planos para casar, visto que eles não tinham forma alguma de proteger os seus bens familiares.

Os seus comentários chegam depois do seu ex-marido, Frankie Limata, ter recebido £1.2 milhão em pagamentos por parte dum juiz, apesar dele ter assinado diversos acordos pré-nupciais abdicando do direito a qualquer parte do dinheiro da esposa. Victoria ouviu do juiz que ela tem que pagar ao ex-marido £900,000 para comprar uma casa, e mais £300,000 para pagar as suas dívidas, comprar um carro e mobilar a casa. Enquanto saia do tribunal, ela disse:

Infelizmente, chego à conclusão de que há um forte desincentivo financeiro para as mulheres ricas que queiram casar, visto não haver forma de garantir a protecção dos bens familiares. Dito de forma simples, isto é uma licença para os gold-diggers.

Mike Luckwell, seu pai, acrescentou:

Uma lei que premia os gold diggers depois de se terem assinado três acordos legais pré-nupciais merece críticas genuínas.

O casal, que tem três filhos, conheceu-se em 2005 e antes do casamento, o desempregado Frankie Limata assinou 3 acordos pré-nupciais comprometendo-se a não fazer qualquer tipo de exigência - quer seja durante ou depois do casamento - às posses da sua esposa ou aos presentes dados pela família dela. Mas quando eles se separaram em 2012, ele entrou deu entrada a um processo legal exigindo £2.2 milhões como forma de "manter o estilo de vida ao qual ele se havia habituado" [ed: O mesmo argumento que muitas mulheres usam para lançar as mãos nas posses do ex-marido].

Hoje, depois duma longa audiência no princípio deste mês, o juiz Holman ordenou que ela lhe desse £900,000 para comprar uma casa onde viver enquanto os seus três filhos, com 8, 3 e 2 anos de idades, estão em fase de crescimento. Para além disso, ela tem que lhe dar £300,000 para que ele possa mobilar a casa e pagar as suas dívidas. Actualmente. Victoria Luckwell vive na sua casa com o valor de £6.7 milhões na zona central de Londres, mas ela teme agora que tenha que vender a casa como forma de pagar ao ex-marido.

Depois da decisão do Juiz Holman, Victoria disse que a sua família estava "feliz" com o facto do juiz ter reconhecido que financeiramente Limata não havia contribuído em nada para o casamento (com toda a parte financeira a ser sustendada pela família dela). Ela disse:

Ficamos todos perturbados com o facto de hoje Frankie ter sido financeiramente recompensado com alguma coisa depois das falhas imperdoáveis nas suas promessas. Esta foi uma audiência pública dolorosa durante a qual Frankie fez críticas duras e injustificadas à minha família.

Deste caso, importantes considerações sobre a política publica emergem. A menos que o Parlamento coloque em acção a recente proposta da "Law Commission" em relação aos acordos nupciais, a lei irá permanecer num estado de incerteza. Isto causa audiências públicas dispendiosas bem como enormes angustias emocionais e incertezas financeiras. A minha experiência recente é precisamente o tipo de coisas que são evitadas com acordos pré-nupciais.

Frankie Limata alegou que ele havia sido forçado a viver como "um mendigo", com todas as suas possessões colocadas em sacos de lixo desde que se separaram. Antes desta decisão legal, Limata havia rejeitado uma oferta de £850,000 para se chegar a um acordo no caso, e o juiz criticou os custos legais causados pelo casal que se encontravam acima dos £657,000. Falando sobre o que havia apurado, o juiz disse:

Ambos precisam duma casa aceitável para viver. A Victoria tem uma. O Frankie não.

Ele disse ambos tinham um padrão de vida "elevado", o que lhes permitia ir de férias em países estrangeiros e dispendiosos, comer em restaurantes de topo e conduzir carros de luxo.

Telegraph

* * * * * * * *

Um homem desempregado casa-se com uma mulher rica, assina vários acordos pré-nupciais, e depois consegue que todos eles sejam invalidados, permitindo que ele consiga sacar um milhão da sua antiga esposa. Mas mesmo assim, esta decisão legal ainda valida o Imperativo Feminino que ainda domina os sistemas legais do mundo ocidental. Imaginem o quanto que Victoria não se revoltaria se ela tivesse que dar metade dos seus bens (tal como acontece com muitos homens) e não só UM PORCENTO deles.

Se o conselho de Victoria é verdade para as mulheres ricas, então deve ser CINQUENTA vezes mais importante que os homens ricos evitem o casamento.

Como é normal nos dias de hoje, a maior parte das mulheres só se apercebe da injustiça do sistema legal quando o mesmo lhes aflige pessoalmente.



segunda-feira, 14 de Abril de 2014

Marxismo cultural: rumo a uma sociedade totalitária

Por Figueiredo de Souza (PT-BR)
 
É estrategicamente relevante para o regime democrático de governo que a sociedade brasileira saiba o que é o marxismo cultural. Partimos da hipótese de que se trata de um movimento ideológico criado a partir da Escola de Frankfurt na Alemanha, que pretende implantar a revolução marxista por meio da transformação da cultura ocidental, deturpando a espiritualidade e impondo o materialismo.

O marxismo cultural, conhecido no meio acadêmico como aquilo politicamente correto (PC), é uma sub-ideologia do marxismo que foi dividida em marxismo econômico e marxismo cultural. O Marxismo Econômico defende a ideia de que a História é determinada pela propriedade dos meios de produção. Enquanto o Marxismo Cultural defende a idéia de que a História é determinada pelo Poder através do qual, grupos sociais (para além das classes sociais) definidos pela raça, sexo, etc., assume o poder sobre outros grupos.

O método de análise utilizado pelo Marxismo Econômico é baseado no “Kapital” de Marx (economia coletivista marxista), o Marxismo Cultural utiliza o desconstrucionismo filosófico e epistemológico explanado por ideólogos marxistas como Jacques Derrida, que seguiu Martin Heidegger, que bebeu muita coisa em Friederich Nietzsche.

O “Desconstrucionismo” é um método através do qual se retira o significado de um texto para se colocar a seguir o sentido que se pretende para esse texto. Citamos como exemplo a mutação normativa que interpreta a Constituição Federal de uma forma que admita o casamento de homossexuais.

Gramsci e outros marxistas culturais entendem que existem na sociedade os grupos sociais “bons” e os grupos sociais “maus”. No grupo dos “bons” incluem as mulheres feministas, os negros e os homossexuais que são classificados como sendo “vítimas” e por isso, são considerados, independentemente do que façam ou deixem de fazer. Citamos como exemplo o fato de que um crime praticado por um homossexual é visto como “uma atitude de revolta contra a sociedade opressora”; o mesmo crime praticado por um heterossexual de raça branca é classificado como um “ato hediondo de um opressor”.

No Marxismo Cultural, o “macho branco” é o equivalente ideológico da “burguesia” no Marxismo Econômico, expropria direitos de cidadania, retira direitos básicos a uns cidadãos para, alegadamente, dar direitos acrescidos e extraordinários a outros cidadãos, baseados na cor da pele, sexo ou aquilo a que chamam de “orientação sexual”. Nesta linha está à concessão de quotas de admissão, seja para o parlamento, seja no acesso a universidades ou outro tipo de instituições, independentemente de critérios de competência e de capacidade.

O sucesso de expansão do Marxismo Cultural deve-se a três razões simples: a primeira é que as teorias econômicas marxistas são complicadas de entender pelo cidadão comum; a segunda razão é porque o Marxismo Cultural critica por criticar, pratica a crítica destrutiva até a exaustão; a terceira razão é que o antropocentrismo do marxismo econômico falhou como sistema social e econômico, em todo o mundo; resta ao Marxismo a guerrilha cultural.
Portanto, sem querer esgotar o tema, o que se passa hoje na sociedade ocidental, não é muito diferente do que se passou na União Soviética e na China, num passado recente. Assistimos ao policiamento do pensamento, a censura das ideias, rumo a uma sociedade totalitária.



sexta-feira, 11 de Abril de 2014

O que é a Hegemonia Cultural?


O significado de hegemonia cultural parece estar relacionado com a expressão "domínio cultural", mas esse termo pode ser melhor entendido como imperialismo cultural  visto que desta forma o significado se torna mais claro. No sistema de Gramsci, a hegemonia cultural tem o entendimento de lavagem cerebral, e ela obteve uma má publicidade quando eram os Soviéticos e os Chineses a fazê-la. Agora que ela está a ser feita a nós, o termo já não é mais usado. O imperialismo cultural/hegemonia cultural descreve, por exemplo, a forma como a BBC, e os média no geral (bem como a indústria educacional) têm usado a lavagem cerebral para destruir a civilização; definir as palavras que podem ou não ser usadas faz parte disso. A Wikipedia diz:

A hegemonia cultural é um conceito cunhado pelo filósofo [ed: melhor dizendo, subvertor] Marxista Antonio Gramsci. Ele significa que uma cultura diversa pode ser governada ou dominada por um grupo ou ....

Basicamente, isto faz parte da parcela do imperialismo Cultural e do Genocídio Cultural.

A Teoria da Hegemonia Cultural de Gramsci

A análise da hegemonia (ou  do "governo") foi formulada por Antonio Gramsci para explicar o porquê das revoluções previstas pelos Comunistas não se terem verificado onde se esperava que elas ocorressem, isto é, na Europa industrializada. Marx e os seus seguidores haviam avançado com a teoria de que a ascenção do capitalismo industrial haveria de criar uma enorme classe operária e gerar recessões económicas cíclicas.

Estas recessões bem como outras contradições dentro do capitalismo levariam a que a esmagadora maioria das pessoas e dos operários desenvolvessem organizações de auto-defesa, incluindo sindicatos de trabalho e partidos políticos.

Outras recessões e contradições levariam então a que a classe operária derrubasse o capitalismo através duma revolução, reestruturasse as instituições económicas, politicas e sociais segundo modelos socialistas, dando assim início à transição rumo a uma eventual sociedade comunista.

Embora Marx e Engels tenham de um modo notório previsto este cenário escatológico em 1848, décadas mais tarde os operários do mundo industrializado não tinham ainda levado a cabo a sua missão. Gramsci alegou que o falhanço por parte dos operários de levar a cabo uma revolução anti-capitalista centrava-se na bem sucedida captura da ideologia, do auto-entendimento e das organizações dos trabalhadores por parte da cultura hegemónica (dominante), isto é, a perspectiva da classe dominante havia sido absorvida pelas massas de operários.

Nas sociedades industriais "avançadas", as inovações culturais hegemónicas tais como a escolaridade obrigatória, os meios de comunicação, bem como a cultura popular, haviam indoutrinado os operários com uma falsa consciência. Em vez de batalharem rumo à revolução que verdadeiramente iria servir os seus interesses colectivos, os operários das sociedades "avançadas" prestavam atenção à retórica dos líderes nacionalistas, buscavam oportunidades de consumo e estatuto de classe média, abraçando uma ethos individualista de sucesso atraves da competição, e/ou a aceitar a orientação dos líderes religiosos burgueses.

Devido a isto, Gramsci apelou para uma distinção estratégica entre a "guerra de posição" e "guerra de movimento". A guerra de posição é uma guerra cultural onde os elementos anti-capitalistas buscam formas de obter uma voz dominante nos meios de comunicação em massa, nas organizações em massa, e nas instituições educacionais, como forma de aumentar a sua consciência de classe, ensinar a análise e a teoria revolucionária, e inspirar as organizações revolucionárias. Depois do sucesso da guerra de posição, os líderes comunistas ficariam então fortalecidos para dar início à guerra de movimento - a real insurreição contra o capitalismo - com o apoio das massas.

Embora a análise da dominação cultural tenha sido primeiramente avançada em termos de classes económicas, ela pode ser aplicada de um modo mais geral. A análise de Gramsci sugeria que as normas culturais dominantes não deveriam ser vistas como "naturais" ou "inevitáveis". Em vez disso, as normais culturais, incluindo as instituições, as prácticas e as crenças - deveriam ser investigadas [ed: desconstruídas] em busca das suas raízes de dominação e da sua aplicação para a emancipação.

Gramsci não afirmou que a hegemonia era monolítica ou unificada. Em vez disso, a hegemonia foi descrita como uma camada complexa de estruturas sociais. Cada uma destas estruturas têm a sua "missão" e cada uma destas estruturas tem a sua lógica interna que permite que os seus membros actuem de um modo distinto do comportamento levado a cabo pelos membros de outras estruturas. No entanto, e tal como um exército, cada uma destas estruturas assume a existência de outras estruturas e por virtude das suas missões distintas, cada uma é capaz de amalgamar e produzir uma estrutura que tem uma missão mais global.

Esta missão mais alargada normalmente não é exactamente a mesma da missão de cada um dos grupos mais pequenos, mas ela assume-as e subsume-as. A hegemonia opera do mesmo modo. Cada pessoa vive a sua vida de uma forma que é significativa nos seus próprios ambientes, e, para esta pessoa, as partes distintas da sociedade parecem não ter muito em comum com ela. Mas se analisarmos as coisas como um todo, cada vida individual contribui também para a hegemonia mais alargada da sociedade.

A diversidade, a variação e o livre arbítrio parecem existir visto que a maior parte das pessoas observa o que elas acreditam ser uma pletora de circunstâncias distintas, mas elas falham ao não se aperceberem do padrão mais alargado de hegemonia criado a partir da união destas circunstâncias. Através da existência de pequenas e distintas circunstâncias, uma hegemonia em camadas é mantida sem ser reconhecida pelas muitas pessoas que vivem nela. (Ver:  Cadernos do Cárcere, págs. 233-38.)

Em tal hegemonia, o senso comum individual, que está fragmentado, é eficiente para ajudar as pessoas a lidar com as pequenas e mundanas actividades do dia a dia. Mas o senso comum inibe também a sua habilidade de se aperceber da mais alargada natureza sistémica da exploração e da hegemonia. As pessoa focam-se nas preocupações e nos problemas imediatos em vez de se focarem nas fontes mais fundamentais da opressão social (...).

A influência de Gramsci

Embora os esquerdistas tenham sido os utilizadores primários desta arma conceptual, as actividades dos movimentos conservadores organizados também se baseiam em tal conceito. Isto foi visto, por exemplo, nos esforços levados a cabo pelos Cristãos evangélicos para obter o poder dentro dos conselhos escolares durante os anos 90, e, como tal, para poderem determinar o currículo. Patrick Buchanan, num discurso amplamente, falado dado em 1992 numa Convenção do Partido Republicano, usou o termo "guerra cultural" para descrever a luta social e política a ocorrer nos Estados Unidos.

A teoria em torno da hegemonia cultural afectou profundamente o Eurocomunismo, as ciências sociais e as estratégias dos activistas. Na ciência social a aplicação do conceito da hegemonia na análise dos tratados mais importantes (tais como os de Michel Foucault) tornou-se aspecto importante da sociologia, da ciência política, da antropologia, bem como de outros estudos culturais. Na educação o conceito da hegemonia levou ao desenvolvimento da "Pedagogia Critica".

Fonte.



terça-feira, 8 de Abril de 2014

O porquê dos homens preferirem casar com mulheres castas

Quando ele se sente suficientemente forte para pensar no passado, as memórias de Andy Phillips em relação ao seu filho são dolorosas, tal como no passado eram preciosas. Há aquele emocionante num dia de Novembro de 1990 quando Jordan nasceu no Tameside General Hospital em Derbyshire, e foi colocado nos seus braços. Quando fecha os olhos e pensa nisso, Andy ainda consegue ver o pequeno Jordan a dar os primeiros passos. Andy lembra-se de lhe comprar o primeiro conjunto de bateria e ver, espantado, a forma como o pequeno rapaz imediatamente toca a música "Hey Jude!" dos Beatles.

Por cima de todas estas memórias felizes, no entanto, encontra-se o terrível dia, há dois anos, quando Jordan, então cim 21 anos, apareceu na casa de Andy (Telford, Shropshire) com um pedaço de papel no seu bolso de trás. Andy, de 43 anos, recorda:

Era um teste de ADN. Jordan disse que tinha algo para me contar. Fez uma pausa e disse: "Tu não és o meu pai"

Esse momento devastador deu início a dois anos infernais na vida de Andy, durante os quais ele batalhou para entender o porquê de ter sido terrivelmente enganado pela mãe do Jordan, Andrea Roberts (42 anos).

Forçado a pagar pensão depois de se ter separado de Andrea quando Jordan tinha 7 anos, Andy acredita que há já muitos anos que Andrea suspeitava que Jordan não era filho dele. E embora Andrea tenha concordado em pagar £19,000 como parte dum acordo legal feito nos instantes finais, depois dele ter dado início a um processo legal tendo em vista algum tipo de compensação por danos psicológicos a si causados por parte da mentira de Andrea, Andy afirma que não há vencedores nesta triste história - muito menos o Jordan, que tem andado para trás e para  frente na guerra entre os seus "pais".

De facto, o caso judicial causou uma tal mágoa a Jordan, hoje com 23 anos e baterista duma banda, que ele já não fala com o homem a quem ele dantes chamava de Pai apesar de Andy sempre dizer que o amava como um filho:

Ele não quer saber mais de mim. É como se eu o tivesse perdido duas vezes.

Embora Andy (engenheiro) esteja ainda a receber aconselhamento psicológico como forma de lidar com o trauma de ter descoberto que Jordan não é seu filho, Andrea diz que também ela sofreu, insistindo que não sabia ao certo se Jordan era filho de Andy ou não, e que só ficou a saber de certeza depois do teste de Outubro de 2011 ter revelado toda a verdade:

Eu tinha 18 anos. Nem acredito que o que aconteceu quando eu ainda era tão jovem ainda me atormenta até aos dias de hoje.

Numa carta sentida que ela enviou ao Andy depois dele ter descoberto a verdade há dois anos atrás, ela escreveu:

Quando eu tinha 18 anos, eu não tinha qualquer tipo de plano, mas [eu] era uma rapariga assustada, imatura e confusa, cujo próprio pai lhe havia virado as costas. Eu levava as coisas um dia de cada vez, e [eu] tentava fazer o que era o melhor para mim. Eu e tu estávamos juntos, e era assim que eu queria que ficássemos. Eu não queria magoar ninguém. [ênfase adicionado]

E em mais um episódio desta história, Andrea encontra-se agora num relacionamento com o pai biológico dde Jordan - um antigo amante dela.

O Princípio

Então como foi que as coisas chegaram a este ponto confuso e triste? Segundo documentos legais enviados ao Daily Mail, as sementes da mentira foram plantadas logo desde o início da relação entre o Andy e a Andrea.

Conheceram-se num pub em Glossop (Derbyshire) no verão de 1989 quando Andrea tinha 17 anos e Andy 19. Eles tinham andado na mesma escola integral na cidade mas mal se lembravam um do outro dos tempos da escola:

Ela aproximou-se de mim. Ela era muito bonita e conversadora. Começamos a sair juntos e eu sempre a acompanhava para casa. Eu era muito leal a ele, logo desde o início.

Mas Andy não era o único admirador de Andrea. Alguns meses depois de se terem tornado amantes, ela traiu Andy com o seu primeiro namorado, Paul Rothery, outro antigo aluno da "Glossop Comprehensive" que Andy conhecia de jogar futebol com ele no clube de jovens local. Por essa altura, Andy não ficou a saber da infidelidade da sua namorada. Andrea alega que o seu "encontro" com Paul foi um "incidente único".

Na carta que ela enviou ao Andy, ela disse que, embora ela suspeitasse que Paul pudesse ser o pai, "havia sempre a chance dele (Jordan) ser teu filho". [ed: os testes de ADN existem desde os finais dos anos 70, início dos anos 80]

Andrea estava grávida de vários meses quando disse a Andy sobre o bebé. Ele comprometeu-se a ficar com ela, o que gerou a ira do pai dela - um sargento-detective na  polícia de Greater Manchester -  bem como a ira dos seus próprios pais. Andy relata:

Eu sempre usava contraceptivos, e como tal, fui apanhado de surpresa; mas assumi que algo tinha falhado. Eu estava apaixonado por ela e nem questionei a possibilidade do filho não ser meu. Eu tinha um emprego estável e estava feliz por me tornar num pai. Mas o pai dela estava furioso e como tal, ela veio viver comigo e com os meus pais pouco antes do Jordan nascer.

Andy esteve presente no nascimento de Jordan, em Novembro de 1990, e lembra-se de ver Jordan a rastejar pela primeira vez. Os pais dele também adoravam o bebé:

Foi um momento espectacular e muito emotivo. Mas hoje em dia é muito difícil pensar nisso, sabendo que eu estava a cuidar do bebé de outro homem, e que ela nunca me disse que suspeitava que o Jordan não era meu.

Por meados de 1991, Andy havia poupado dinheiro suficiente para alugar uma pequena casa em Glossop para a sua pequena família. Ele pagou tudo, diz Andrea, enquanto Andrea cuidava do Jordan:

Eu só ganhava cerca de £300 por semana, mas estava feliz em suportá-los. Quando eu chegava a casa, depois do trabalho, levava o Jordan ao parque. As pessoas diziam o quanto que ele se parecia comigo, e como ela tinha os meus maneirismos. Não havia nada que me deixasse suspeito.

Mas ele sempre achou estranho a Andrea não ter tido interesse em casar ou ter mais filhos.

Olhando para trás, pergunto-me se isso não era porque ela nunca me amou. Se calhar nós só estávamos juntos porque eu fui o único que permaneci por perto durante o período em que ela estava grávida.

Mesmo que seja possível sentir simpatia pelo drama de Andrea, é muito mais difícil de sentir simpatia pelo comportamento que ela adoptou nos anos que se seguiram. Sem surpresa alguma, dado o segredo que ela escondia, o relacionamento deles lentamente se deteriorou:

Com relativa frequência, eu estava cansado depois do trabalho, e ficava em casa a tomar conta do Jordan. Ela começou a sair demasiadas vezes com as suas amigas.

No entanto, Andrea colocou a sua própria versão dos eventos nos documentos legais, afirmando que o temperamento de Andy causou uma divisão entre eles. Andy nega tudo isto e diz que - ameaçada por uma acção legal - esta foi uma tentativa desesperada de tentar manchar a reputação do antigo companheiro.

Eles separaram-se temporariamente em 1995, quando Jordan tinha 5 anos, mas no ano seguinte, Andy convenceu Andrea a dar mais uma chance à relação por amor ao Jordan. Em 1997, e depois dela voltar a dizer para ele se ir embora [da casa que ele havia comprado], ele saiu de casa e nunca mais voltou:

Era mais do que óbvio que ela não me queria por perto.

Começam os Pagamentos

A separação poderia ter apresentado uma chance de Andrea colocar as coisas em pratos limpos e revelar toda a verdade em torno da paternidade de Jordan, mas em vez disso, ela pediu ao Andy que lhe pagasse £120 por mês como pensão alimentícia, mesmo depois dela se ter casado com o mais novo namorado (1990), Rod Pryce. [Note-se que o argumento de que ela escondeu a paternidade do Jordan porque estava "assustada, imatura e confusa" já não cola desta vez.]

Poucos anos depois ela pediu ao Andy que aumentasse os pagamentos para £160 por mês, ameaçando que se queixaria à "Agência de Apoio à Criança" [Child Support Agency - CSA] caso ele não concordasse. Andy, que se recusou a pagar mais por acreditar que já estava a pagar o suficiente, disse:

Foi cruel da sua parte fazer-me passar por tudo isto sabendo que havia a possibilidade do Jordan não ser meu. Todos aqueles anos de engano são difíceis de serem perdoados. Durante os meus anos 20 e anos 30 tive isto a pairar sobre a minha cabeça.

Explicando o porquê de ter mantido a mentira por tanto tempo, Andrea escreveu na sua carta a Andy:

À medida que o tempo foi passando, comecei a pensar seriamente de que tínhamos que saber a verdade. Senti que o Jordan tinha o direito de saber, mas o tempo certo nunca parecia chegar. Mais do que tudo, eu estava assustada com a perspectiva de magoar o Jordan.

Mas se Andrea tinha suspeitas em torno da paternidade do filho, o pai biológico de Jordan, Paul Rothery, também as tinha. E em mais uma declaração legal disponibilizada como parte deste caso perturbador, disse que desde o princípio que a ideia de Jordan ser seu filho lhe passou pela cabeça. Houve uma altura, era Jordan ainda criança, que Paul - que vivia por perto - o viu a brincar no jardim e notou semelhanças físicas que o levaram a admitir:

Isto fez com que eu começasse a pensar que se calhar Jordan era meu filho.

Ele escreveu a Andrea, sem mencionar as suas suspeitas, mas ele diz que Andrea nunca lhe respondeu à cara. Foi só em 2011, depois do casamento com o padrasto de Jordan, Rob Pryce, se ter desmoronado, que eles finalmente se encontraram e discutiram o assunto.Alguns meses depois, contaram a Jordan dos seus receios e ele pediu logo que o assunto fosse resolvido com um teste de ADN.

Andy foi o último a saber. Por essa altura, ele estava casado com Mariya, hoje  com 33 anos, que ele conheceu há 10 anos e com quem se casou em 2007. O seu filho Joshua nasceu em Abril de 2011 e havia sido apresentado a Jordan como seu meio-irmão. Embora Andy se tenha mudado para Telford, que fica a duas horas de carro, Jordan às vezes vinha e passava lá a noite, chegando até por uma vez a trazer a sua namorada.

Não consigo perdoar a Andrea por não vir ela mesma, para me dizer. Nem consigo pensar no que Jordan passou por ter que me contar os resultados dos testes e visto que a sua mãe não tinha a coragem de ser ela a fazer isso.

Embora Andy tenha chorado quando soube da notícia, Jordan permaneceu calmo:

Ele já sabia da notícia há alguns meses, e como tal, eu questiono-me se ele já não tinha superado o seu momento de dor. Ele [Jordan] disse que isso não iria afectar a nossa relação, e que ele ainda me via como pai e que isso não iria mudar. Eu estava totalmente chocado mas eu disse-lhe o mesmo: que o amava e que ele seria sempre meu filho.

Mas Jordan retirou-se da presença de Andy, e depois de mais algumas visitas, parou de responder às suas chamadas e aos seus SMS.

Finalmente, eu liguei para o padrasto do Jordan, Rob, e perguntei-lhe se ele estava bem. Ele disse-me que ele apenas estava a tentar lidar com a situação.

Andrea tentou explicar o seu comportamento numa carta enviada a Andy ANTES dele ter dado início ao processo legal. Nessa carta, ela escreveu:

Eu só me posso culpar a mim mesma, mas eu desejava que, com tal idade, eu não tivesse que lidar com tal problema - sozinha. Eu não podia falar com ninguém, não tinha apoio e não tinha onde viver. Precisei da minha mãe e do meu pai mas eles não estavam lá para me ajudar. Devido a isso, eu tive que resolver as coisas sozinha. Tu e eu estávamos juntos e era assim que eu queria que as coisas ficassem. Por essa altura, eu não pensei a longo prazo e inocentemente pensei que poderíamos ser uma família. [ênfase adicionado]

Nos dois anos que já se passaram desde que ficou a saber a verdade, e afastado que está do convívio com Jordan, a dor de Andy transformou-se em raiva, e, sem surpresa, em amargura dirigida à Andrea:

Isto começou a devorar-me por dentro. Senti que não conseguia respirar de noite e nem conseguia dormir. Essa altura da minha vida foi horrível.

O sentido de injustiça de Andy tornou-se tão profundo que ele escreveu uma carta à CSA perguntando se ele poderia ter os seus pagamentos de volta. Ele calcula que os pagamentos somem um total de £4,894 e que ele pagou £2,760 adicionais, colocados na conta de Jordan durante os anos. Quando lhe foi dito que ele não pode ter de volta o seu dinheiro, ele decidiu seguir pela via legal.

Em retrospectiva, será que este foi um passo inteligente? Será que ele não previu que isso poderia ser doloroso para o seu filho? Admitindo que ele não levou em conta como isso poderia afectar a relação, Andy afirmou:

Eu queria justiça. Não estava interessado na vingança mas não conseguia viver cm o que ela me havia feito.

Visto que os tribunais do Reino Unido consideram o acto de educar uma criança como um privilégio, não é possível reclamar pagamentos de manutenção que tenham sido feitos a uma mãe mentirosa, mas só reclamar danos psicológicos como consequência da decepção.

O advogado de Andy, Roger Terrell, que se especializa na fraude na paternidade, afirma que tal número de alegações está a crescer rapidamente. Em Janeiro de 2013, naquele que se acredita ter sido o primeiro caso deste tipo, outro dos seus clientes, Richard Rodwell, recebeu £25,000 em danos depois de descobrir que o filho e a filha que havia criado não eram dele. Desde então, o Terrell foi contactado por dezenas de outros homens que de igual modo foram enganados; crê-se que um em cada 25 pais estão a criar filhos que não são seus.

Mas em casos como este, raramente há um final feliz. Andy descobriu através de documentos enviados ao seu advogado que seis meses depois dos testes de ADN, Jordan mudou o seu nome de Phillips para Pryce, segundo o ex-marido de Andrea e seu ex-padrasto. Andy comenta:

Isto foi incrivelmente doloroso. Eu ainda olhava para ele como o meu filho, e ainda teria um relacionamento com ele, se pudesse, mas o Jordan virou-se contra mim. Ele pensa que, ao tomar esta acção legal contra a sua mãe, eu o estou a castigar; mas ele é uma vítima, tal como eu o sou.

O relacionamento da Andrea com o pai biológico de Jordan foi o mais recente dado desta história. Mas tal como ela diz na sua declaração legal, "Não estaria correcto pensar que estamos a jogar o jogo da "Família Feliz" com o Jordan visto que isso está totalmente longe da realidade." Na sua declaração, Paul admite que:

Tem sido difícil gerar um relacionamento com o Jordan e isso é algo que está a demorar tempo.

E depois de tantos anos de segredos e mentiras, é difícil ver como é que as feridas se podem curar facilmente. Andy, que espera outro filho com a sua esposa, diz:

É como se uma grande parte da minha vida não tivesse sido o que eu pensava que era.

(...)

Daily Mail

* * * * * * * *
De forma bem concreta, esta história revela um dos grandes motivos que leva os homens a não querer casar com mulheres promiscuas (ou mulheres com um passado sexual "frutífero"). Este homem, Andy, envolveu-se com uma mulher promiscua e passou 20 anos da sua vida a pagar por um filho que não é seu, algo que ninguém no seu perfeito juízo qualificaria de "bom". 

Isto não quer dizer que casar com mulheres castas é garantia de não ser vítima de fraude, e nem quer dizer que não é possível uma mulher com um passado sexual promíscuo mudar o seu estilo de vida. O que isto quer dizer é que o homem é perfeitamente lógico e racional em usar o passado sexual da mulher para saber quais são as probabilidades dele vir a ser vítima de fraude no futuro.





sábado, 5 de Abril de 2014

Obama, União Europeia e a ONU desejam a morte dos Africanos


Segundo as Nações Unidas, a malária mata mais de 3,000 crianças Africanas por dia. Isto acontece muito por causa da pressão que o Ocidente colocou sobre os Africanos de modo a que estes não usem o DDT, uma maravilhosa droga inofensiva que, de modo geral, livrou os EUA e a Europa da malária, mas que graças à sua radical agenda ambientalista, os esquerdistas impedem que os Africanos a usem.

Para além de preferirem que as crianças Africanas morram em vez de permitirem que se use o DDT, os esquerdistas ocidentais estão também dispostos a deixar os Africanos percam a sua guerra contra o HIV como forma denão perturbar a sua agenda sexual radical:
A administração de Obama, bem como a União Europeia e os países Nórdicos, uniram-se contra os pobres países Africanos durante as duas últimas semanas, insistindo que a fidelidade sexual e o atraso na iniciação sexual não podem ser estratégias defensivas contra a propagação do HIV.
Leram bem? A elite ocidental opõe-se a medidas com provas dadas da sua eficácia no combate às doenças sexuais, mesmo que isso resulte na morte de mais Africanos.
Os países Africanos enviaram delegados para New York na esperança de que pelo menos os documentos não-vinculativos mas influentes, produzidos pela Comissão do Estatuto da Mulher da ONU, um dos maiores encontros anuais das Nações Unidas, pudesse ser um veículo que lhes ajudasse a abrandar o crescimento do HIV no seu continente.
Pobres e enganados Africanos. Em vez obterem algum tipo de ajuda clinicamente eficaz no combate ao HIV, os países Africanos viram Obama e a União Europeia a bloquear toda a linguagem que encorajava a redução de parceiros sexuais, apesar dessa ser uma forma válida de combater a propagação de DSTs.
Segundo algumas testemunhas que falaram para a Breitbart News, a meio da última noite de negociações alguns delegados Africanos chegaram mesmo a chorar de frustração. 
No início das negociações, os Estados Unidos, a Europa, a Noruega, o México e outros países da América Latina ameaçaram que não haveria qualquer tipo de resolução se ela contivesse algum tipo de referência à abstinência, à fidelidade, à redução do número de parceiros sexuais, ou até à que-nem-deveria-ser-controversa menção a "atrasar o início da actividade sexual". Por duas semanas as negociações foram estagnadas e atrasadas. Os EUA e a UE com as suas dúzias de delegados, facilmente superaram os pobres países Africanos que tinham um ou dois diplomatas para cobrir toda a negociação. 
Os EUA e a UE insistiram que linguagem tal como "fidelidade" e "atraso sexual" poderiam estigmatizar e, desde logo, desencorajar aqueles possuidores do HIV de se testarem e obterem tratamento. Os Africanos insistiram que estas eram únicas estratégias realmente defensivas contra a doença, que ainda tem proporções epidémicas em África.
Temos pena, Africanos. Embora a riqueza do ocidente tenha sido gerada pela liberdade económica, os esquerdistas ainda têm na mão a carteira. Do ponto de vista de Obama e da União Europeia, uns poucos milhões de Africanos mortos é sempre preferível a aceitar-se os efeitos benéficos da moralidade sexual.

Mas mesmo assim, nem tudo foram vitórias para os esquerdistas:
Esforços levados a cabo pelas nações ocidentais, lideradas pelos EUA, falharam ao não conseguirem que se mencionasse a "orientação sexual e identidade de género" no documento. Espera-se que a "orientação sexual e a identidade de género" se torne numa categoria protegida, tal como o direito de voto. A coligação lgbt emitiu uma declaração na Segunda-Feira, dizendo, "Estamos profundamente desapontados com esta tentativa de [blá blá blá blá blá blá blá blá blá].”

Tal como os radicais dos anos 60 costumavam afirmar, a questão não é a questão. Os esquerdistas não têm um interesse sincero de aliviar o sofrimento causado pela SIDA porque se tivessem, eles não iriam promover o homossexualismo sempre que tivessem oportunidade. O seu interesse primário parece ser a promoção da devassidão sexual e da degeneração por motivos demasiado torpes para serem contemplados.

Um pequeno preço a pagar
para o avanço da agenda





quarta-feira, 2 de Abril de 2014

O que é a Nova Ordem Mundial?

Por Jay

Infelizmente, desde a mais tenra idade que fomos programados e condicionados para não acreditar, nem hipoteticamente, em conspirações em larga escala. Nos disciplinas introdutórias, os estudantes de História aprendem que existem três formas de olhar para a filosofia da História:
  • Primeiro, a posição das contingências aleatórias onde os eventos históricos nada mais são que "uma maldita coisa a seguir à outra" (tal como um dos meus professores tão elegantemente afirmou), onde não há qualquer motivo ou significado casual.
  • A segunda, a posição do "grande homem", onde figuras religiosas ou figuras políticas-chave causam certos eventos importantes causando a que a História gire em torno destas figuras, tais como Napoleão ou Júlio César.
  • A terceira visão é a providencial ou conspiratória. Nesta forma de analisar as coisas, a História é conduzida por forças ocultas - quer elas sejam malignas ou benevolentes. Sem dúvida que os seres humanos desempenham o seu papel, mas o ser humano não é o "deus" autónomo do seu destino. Ele é o actor dum palco onde há uma narrativa grandiosa e um propósito final para cada evento, mesmo que os seres humanos não estejam cientes destas razões.
Havendo visto a verdade da conspiração mundial que nos últimos séculos se tem centrado no ocidente, o establishment anglo-global é outra coisa que as pessoas preferem não ouvir. Os seres humanos têm um viés pela normalidade e por aquilo que é chamado de dissonância cognitiva. A dissonância cognitiva é a tendência para continuar a acreditar em algo que está errado (apesar das gigantescas evidências em contrário) devido ao devastador impacto psicológico que o abandono das crenças prévias causaria.

Os americanos foram educados com a narrativa de serem uma nação de individualistas independentes; a mentalidade de fronteira ainda domina e é uma imagem ainda latente na nossa cultura. A mentalidade individualista recusa-se a olhar para si mesma como vítima de algum tipo de conspiração; nós somos uma nação demasiado grandiosa para ser dominada por uma elite maligna focada no despovoamento mundial. Afinal de contas, Obama é um presidente "liberal", certo? "Como é que pode haver uma conspiração em massa? Se houvesse, ela já teria sido apanhada!", diz o opositor. Isto são tudo conspirações helicóptero-preto e chapéu-de-folha-de-estanho [inglês: "tin-foil-hat"].

Para aqueles com educação modesta e pouca capacidade de pensamento crítico e de senso comum, é demais evidente que nenhuma destas objecções é suficiente para demonstrar que a visão conspiratória é falsa. O facto de alguém ser um "orgulhoso Americano" ou o facto de George Bush ter alegado ser Cristão, não significa que a visão conspiratória seja falsa. Em lógica, a isto chama-se non sequitur; logicamente falando, a conclusão não é o resultado das premissas. 

Definindo a Nova Ordem Mundial

Antes da mais, temos que ser bem claros em relação aos termos. O que é que significa "Nova Ordem Mundial"? Basicamente, a Nova Ordem Mundial (daqui para frente NOM) é um sindicato criminoso global composto por banqueiros, CEOs [directores-executivos de empresas], políticos, académicos, magnatas mediáticos, executivos militares e líderes religiosos, que por um lado operam sob o olhar público ao mesmo que trabalham de uma forma clandestina com o fim de determinar a política mundial. Em última análise, e visto que eles estão dispostos a levar a cabo matanças em larga escala, esta elite acredita que ela é superior ao resto da humanidade.

Existem vários níveis de iniciados e níveis de conhecimento, mas a ideologia central da NOM é a tecnocracia Fabiana socialista eugenista. Muitos servos da NOM são compartimentados, pensado que o seu papel pessoal (e provavelmente papel importante) no mundo bancário ou no mundo mediático encontra-se ao mais alto nível. Por exemplo, muitos membros Grupo Bilderberg ou do Concílio da Relações Externas ["Council on Foreign Relations" = CFR] provavelmente pensam que estão no mais elevado nível de controle, mas poucos estão cientes da elite ocultista acima deles.

Isto não quer dizer que os Bilderbergerianos e os membros do CFR não são os "arquitectos" das estruturas globais de poder, mas sim que eles não se encontram no nível mais elevado. Estas elites acreditam que foram escolhidas para governar as massas, que elas [as elites] vêem como nada mais que gado. Sendo o gado ignorante, a manada é totalmente descartável: ela [a manada] pode ser usada como bucha para canhão em guerras onde trilhões são feitos pelos banqueiros privados ao emprestarem dinheiro aos governos com juros exorbitantes. Ou então a manada pode ser despopulada tal como a falsa "crise" do aquecimento global precisa.

O Propósito Final da Nova Ordem Mundial 

O objectivo final da elite da NOM é uma ditadura socialista de ordem mundial única, construída à imagem do livro de George Orwell 1984, ordem essa que George Orwell conhecia profundamente. Também influente foi o livro "Brave New World" de Aldous Huxley. A Alemanha Nazi e a Rússia Bolchevique foram ambos modelos-chave estabelecidos pela e para a NOM. O objectivo final é o controle total e a escravização total através do controle da religião, da ideologia, da população, da economia e da tecnologia.

De forma a que isto possa ser atingido, todas as soberanias nacionais têm que ser dissolvidas e unidas numa série de uniões continentais, tal como aquela que foi já instalada com o nome de "União Europeia". O problema da imigração nos Estados Unidos, por exemplo, faz parte do plano dos globalistas de remover as fronteiras como forma de criar a União Pan-Americana que se irá, eventualmente, unir à União Europeia. As Uniões Africanas e Asiáticas certamente que se seguirão, provavelmente sendo mais tarde unidas na eventual Federação Mundial supervisiona peças Nações Unidas. Evidências em favor disto podem ser vistas nas palestras de Rockfeller nas Nações Unidas, tal como exibidas na C-SPAN: 

U

De modo a entender a forma como as assim-chamadas elites atingiram o que já atingiram nos dias de hoje, é importante olhar para a história deste grupo amorfo. De maneira geral, a batalha entre o mal e o bem pode ser rastreada até ao início do tempo e até à Queda do homem, mas por motivos de conveniência, vamo-nos focar na era moderna.

À medida que a Idade Média produzia a era da modernidade através da ciência de Francis Bacon, Galileu e Newton, uma mudança no paradigma na forma como se via o mundo aconteceu: ele, o mundo, já não era mais governado por Deus através da Sua Igreja e da hierarquia terrena da monarquia; em vez disso, o mundo começou a ser visto como uma casa de tesouro de forças prontas a serem aproveitadas pelo homem.

Direitos do Homem segundo
os revolucionários franceses
O homem podia eventualmente atingir o entendimento total do universo e ascender para a posição de Deus. A "ciência" tornou-se no novo mythos, a nova narrativa abrangente que poderia explicar a grande ascensão do homem até a divindade. Estes eram interesses estranhos para estes homens que tentavam, ao mesmo tempo, desmitologizar o mundo da "superstição religiosa". Esta era, obviamente, uma fachada e uma mentira visto que eles, tal como o livro clássico Frances Yates "The Rosicrucian Enlightenment" demonstra, eram practicantes de magia. A nova ciência deu origem ao Iluminismo - revolução socio-cultural que buscou reconstruir a ordem social fundamentando-se no fluxo, no progresso e na "razão", em oposição à teologia e à metafísica. 

Também simultâneo com este fenómeno ocorreu a Reforma Protestante, que buscou desafiar a autoridade estabelecida da Igreja única, autoridade essa que havia sido a força dominante na Europa Oriental e na Europa Ocidental por mais de mil anos. Os próprios Reformadores buscaram remover o que eles entendiam como sendo a superstição da Igreja, e colocar a autoridade religiosa nas mãos de "todos os rapazes que trabalham no arado", tal como disse Lutero, que poderiam assim reconstruí-la como bem entendessem. Em última análise, a Reforma iluminista teve como consequência o racionalismo puro, e da Alemanha vieram as infames escolas de Alta Crítica que iriam negar a autoridade dos Textos Bíblicos e, por fim, rejeitar todos os elementos sobrenaturais da Teologia - quaisquer que eles fossem. Um novo mundo estava a emergir do antigo mundo.

Estes eventos não foram acidentais. De facto, o Iluminismo e a Reforma não só causaram alterações na teologia e na forma de pensar, mas causaram também uma revolução civil. O mais notável destes eventos foi a Revolução Francesa, que buscou destruir o Cristianismo na França, decapitar o monarca, e estabelecer uma república Iluminista, secular e comunista. A morte de milhares de pessoas não foi acidental. Os demagogos da Revolução Francesa, tais como Danton, Robespierre, o Duque de Orleans, Marat, e São Justo, eram todos membros de sociedades secretas e ordens Iluministas. Muitos líderes comunistas tais como Vladimir Lenin eram também "Illuministas".

A pergunta então materializa-se: porque é que os líderes comunistas e os líderes burgueses da Revolução Francesa seriam ambos membros dos mesmos grupos revolucinários secretos? Não são os seus objectivos radicalmente distintos? A resposta a isto será dada mais tarde. Através da sua infiltração na Maçonaria, estes homens sangrentos foram induzidos para dentro duma sociedade profunda e sombria conhecida como os Illuminati.

Os Illuminati haviam sido criados na Bavária em 1776 por um canonista ex-Jesuíta chamado Adam Weishaupt. Weishaupt, que se encontrava imerso no racionalismo, tinha como plano organizar um grupo de elite que eventualmente iria instalar uma ordem socialista mundial e abolir a teologia. Weishaupt parece ter sido a figura ideológica-chave por trás das revoluções dos séculos 18 e 19 que, em última análise, removeram todas as formas de monarquia e efectivamente acabaram com a influência social do Cristianismo.

É alegado que Weishaupt recebeu financiamento para o seu projecto da parte de seitas aristocráticas e banqueiras secretas que queriam destruir e reconstruir a sociedade. O establishement banqueiro ocidental apoderou-se de toda a Europa tendo em vista um objectivo simples mas assombroso: emprestar dinheiro para a guerra aos líderes estatais com juros elevados e, desde logo, colocar os governos sob o controle dum banco privado. O mais bem sucedido entre estes foi Nathan Rothschild, que fez uma fortuna incrível emprestando dinheiro tanto a Napoleão como aos Britânicos [isto é, aos dois lados da mesma guerra].

Quando Napoleão foi derrotado, Nathan enganou o parlamento Britânico e levou-os a instalar um banco central sob o disfarce de "estabilidade económica". Este banco privado, no entanto, haveria de ser suportado por uma fortuna privada, e o sistema monetário eventualmente seria meramente uma moeda fiduciária. Isto significava que o dinheiro não era suportado por ouro mas sim por crédito fiduciário. Por sua vez, os banqueiros iriam cobrar juros aos governos sobre o dinheiro que eles haviam inventado do nada. Seria através desta metodologia que eles eventualmente haveriam de ser bem sucedidos em colocar toda a Europa numa União com uma moeda fiduciária proveniente dum banco privado localizado na Alemanha. Este é o status actual da União Europeia.

A mesma mentira banqueira foi levada a cabo nos Estados Unidos através dos Rockefeller e Morgan Trusts que em 1913 manipularam o Congresso dos EUA para aprovar o "Federal Reserve Act". O "Federal Reserve Act" colocou a economia Americana nas mãos de banqueiros Europeus e da dinastia banqueira Rockefeller-Morgan-Britânica.

Cecil Rhodes, o magnata dos diamantes africanos, foi também financiado pelos mesmos interesses; depois de obter uma fortuna, no princípio do século 20 fundou uma sociedade secreta conhecida como "Round Table Group". Desta "Round Table" Britânica e da Royal Society, a similar "American Council on Foreign Relations" foi formada ao mesmo tempo que a versão internacional, conhecida como a "Trilateral Commission", foi também formada. Por sua vez, estas entidades formaram a  OSS/CIA e o grupo dentro eles é conhecido como os Bilderbergers, tal como dito em cima; esta organização organiza encontros anuais em lugares secretos um pouco por todo o mundo, onde as políticas nacionais e corporativas são definidas.

O objectivo declarado destes grupos é a instalação dum governo mundial e dum sistema monetário único no mundo inteiro. Isto é levado a cabo economicamente através de bancos centrais privados, que imprimem a moeda fiduciária e cobram juros aos vários governos mundiais. A propósito, é por isso que há já muitas décadas nós ouvimos falar que a nossa dívida nacional encontra-se na ordem dos triliões de dólares. A dívida são os juros que devemos em torno de dinheiro impresso do nada; os donos são banqueiros internacionais que enganaram os EUA e fizeram com que eles entregassem aos banqueiros o poder de controlar o abastecimento de dinheiro; é por isso que é uma conspiração.

Eu já falei com professores doutorados em Economia que admitem que a maioria dos países sobrevivem à base do sistema de dinheiro fiduciário controlado por bancos privados. Para estes professores institucionalizados isto não é problema visto que muitos deles apoiam a ideia do globalismo e dum governo mundial. Eles são voluntariamente ingénuos, pensando que o sistema que abusa deles também os salvará.

Agora que já vimos a história da cabala da Nova Ordem Mundial e o seu caminho monetarista para o controle total dos estados-nação, é importante ver os métodos que eles usam para obter e aumentar o seu controle. Antes de fazermos isso, temos que colocar uma cara aos grupos que servem de fachada para a NOM. Muitos desses homens são membros de igrejas locais, incluindo padres respeitados, pastores, guias espirituais e diáconos. Muitos presidentes americanos, senadores, congressistas, homens de negócio e filantropos fizeram parte, e fazem parte, deste grupo. Estes homens bem intencionados estão a servir interesses mais elevados que buscam propósitos sombrios - propósitos esses que aqueles que estão abaixo deles não sabem.

A maçonaria moderna deriva das alianças entre os pedreiros da Europa Ocidental Medieval que se uniram para construir as catedrais dos bispos e os palácios dos reis. À medida que a construção de catedrais diminuiu e à medida que o Iluminismo e a reforma varriam a Europa, os practicantes do ocultismo procuraram levar a cabo encontros secretos onde poderiam conspirar sem a ameaça da Igreja Católica e das coroas que ainda existiam. Eles encontraram o que buscavam na sociedade dos maçons: estes novos e filosóficos maçons foram chamados de "maçons especulativos". Por volta do século 18 existiam mais de 5,000 lojas maçónicas estabelecidas na Europa. Muitos senhores menores e chefes de estado menores, bem como membros do clero - tanto Protestantes como Católicos - haviam, de facto, se unido à fraternidade. Tal como dito em cima, para o final do século 18, a maçonaria encontrava-se já intimamente ligada aos Illuminati graças aos esforços racionalistas extremos de Weishaupt. 

As Linhagens de Sangue
Mitólogo da NOM:
Charles Darwin
Não estando muito a par do pensamento pré-moderno, a maior parte de nós realmente não entende a importância que as linhagens de sangue tinham no mundo antigo. O mundo antigo era, essencialmente, um sistema de castas, e muitas sociedades actuais, tais como as que existem na Índia, ainda operam desta forma. A menos que se seja da  linhagem real, temos que aceitar uma certa posição na sociedade. É suposto a modernidade ser igualitária, mas as distinções de classe apenas foram reorganizadas de linhagens reais para linhagens de riqueza. A própria Bíblia preocupa-se com as linhagens de sangue visto que Jesus Cristo é a Semente Prometida, Descendente de Adão através de Noé, através de Abraão, através do Rei David a a Sua Mãe, de quem a Igreja alega Ele ter recebido a Sua Humanidade.

Para o mundo antigo, portanto, as linhagens eram tudo. Isto é importante visto que a filosofia ocultista dos assim-chamados racionalistas do mundo moderno ainda aderem a este princípio antigo. Para os ocultistas da NOM, há "poder no sangue", tal como para os Cristãos, expressão que para eles significa poder mágico. Logo, as famílias dinásticas que controlam o mundo, tais como os Rothschilds, os Rockefellers, os Morgans, os Warburgs, etc., tal como as antigas realezas, acreditam que têm que casar entre si de modo a manter a pureza da linhagem de sangue.

O livro ridículo de Dan Brown - "O Código DaVinci" - é um exemplo perfeito: embora o livro seja claramente falso, ele demonstra a obsessão do mundo do ocultismo pela pureza mágica herdada através das linhagens familiares. De facto, alguns destes ocultistas acreditam que eles mesmos são descendentes de deuses; um exemplo disto é a ideologia Satânica do Nazismo, onde Heinrich Himmler, através das SS, tentou produzir uma linhagem Ariana pura:, uma linhagem que tinha o poder dos deuses de Atlântida a percorrer dentro deles, tal como o livro "Unholy Alliance: A History of Nazi Involvement with the Occult" de Peter Levenda revela.

É através da maligna ideologia do eugenismo, o descendente do Darwinismo, que a elite Britânica encontra o fundamento para a promoção dos males do aborto, da eutanásia e da esterilização. A maior parte das pessoas não sabe, mas foi Margaret Sanger (com a ajuda da mãe de Catherine Hepburn) que fundou a Planned Parenthood com apoio financeiro dos Rockefeller para vender a ideia do aborto e da contracepção (sob o manto dos "direitos das mulheres"). Sanger convenceu a organização NAACP [= National Association for the Advancement of Colored People  = Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor] que as mulheres negras em particular deveriam ter o direito ao aborto, tudo baseado na filosofia socialista eugénica de Sanger.

Um dos grandes promotores do Darwinismo foi o eugenista Sir Francis Galton, primo de Charles Darwin e também cientista. O que as universidades estaduais, todas controladas pela elite, não dizem é que a filosofia eugénica de Galton, uma consequencia natural do Darwinismo, era profundamente Anglo-racial. Enquanto isso, o  establishment universitário falsamente liberal quer que todos acreditem que o Marxismo é glorioso, embora a sua própria pseudo-religião Darwinista seja racista até ao âmago. É por esta filosofia ocultista do Darwinismo mascarada de ciência que a elite da NOM está obssecada, e é por esta razão que abortar milhões de crianças se tornou um sacrifício enorme. Quem controla a América é um establishment Luciferiano.

O Movimento Nova Era Ecológico

É importante levar em conta que as sociedades secretas previram o suposto fim da religião. Existem muitos outros grupos que operam de uma forma independente, mas com os mesmos propósitos de destruir a religião histórica e Ortodoxa e instalar uma ordem mundial Luciferiana, global, tecnocrata, socialista e racionalista. Muitas pessoas encontram-se ignorantes do facto do Movimento da Nova Era ter tido a sua origem em grupos ocultistas fraudulentos. Madame Blavatsky, charlatã e ocultista de primeira, cunhou o termo ao notar que, em termos astrológicos, o século 20 haveria de testemunhar a transformação da Idade do Peixe, que os ocultistas associam à era do domínio do Cristianismo, para a Idade do Aquário - a era da nova ordem mundial, a ordem cósmica onde os homens iriam estar em contacto com o que ela identificou como "A Grande Irmandade Branca das entidades interestelares."

Blavatsky, tal como todos os outros ocultistas, pensava que o homem se encontrava no caminho da evolução Darwiniana rumo a divindade, e que estas "entidades" extra-dimensionais eram seres altamente avançados que buscavam formas de levar a raça humana para a idade seguinte da consciência cósmica. Os extra-terrestres da Madame Blavatsky, no entanto, mais não eram que anjos caídos [demónios] que promulgava a mesma mentira que Satanás promulgou no Jardim do Éden, isto é, que o homem poderia eventualmente passar a ser o seu próprio deus.

A feminista masculinizada carrega
o martelo Soviético para destruir
o patriarcado. ascensão 
do feminismo faz parte do plano
da  elite para destruir a família
e a  ordem social
O Movimento da Nova Era Ecológico, no entanto, não perdeu poder ou influência durante os últimos anos. A revolução hippie-sexual dos anos 60 foi uma vitória enorme para este movimento, trazendo a filosofia Oriental para o mundo Ocidental através dos Swamis e dos Beatles. Os Estados Unidos são apoiantes primários das técnicas da Nova Era, e elas são promovidas em todas a áreas da vida dentro dos seus programas. Estes programas, tais como a UNESCO, buscam inicializar os jovens nas mais variadas formas de paganismo e superstição sob a máscara de "tolerância" e "diversidade".

O Movimento da Nova Era, financiado pela elite, é também responsável pela popularidade do feminismo e da bruxaria. O propósito destes grupos é a transformação alquímica da humanidade para “Adam Kadmon”, uma figura andrógina que representa uma trascendência acima do sexo masculino e do sexo feminino, resultando num ser "divino" altamente evoluído através da tecnologia e do transumanismo. Mais uma vez vemos aqui a ideia do inexorável processo da evolução até à divindade.

Estes textos supersticiosos ensinam que através do acto sexual, o mágico pode obter poder com o qual ele pode canalizar o seu "eu superior", que, segundo acreditam os ocultistas, lhes dará maiores poderes, tais como deuses, quando eles ascenderem a ridícula escada evolutíva. Estes "egos superiores" ou "egos genuínos" são, na verdade, demónios que enganam o ocultista.

Gnosticismo e Crowley

Uma das mais poderosos sociedades secretas do século 20 foi a O.T.O., ou Ordo Templi Orientis. Por um período de tempo, esta sociedade foi liderada pelo maior ocultista do século 20, Aleister Crowley. Considerado um génio, Crowley rapidamente ascendeu as fileiras do ocultismo e tornou-se um proponente do gnosticismo antigo. A melhor descrição para a ordem de Crowley é a de que ela é uma "hermetic graduate school". O próprio Crowley encontrava-se no nível 98 e 99 dos ritos "Memphis" e "Mizraim" - ritos que a maior parte dos membros na Nova Era nunca ouviu falar. O famoso livro de Crowley "Magick in Theory and Practice", alega que a chave para a vida e para se tornar um mágico é trazer a vontade própria para o mundo; executar mudanças no mundo. As mudanças, no entanto, podem ser boas ou más. Levar a cabo mudanças no mundo através duma imposição não é necessariamente uma coisa boa.

Segundo a minha análise, este gnosticismo é a chave para se entender a explosão recente de pedofilia nos tempos modernos, no Catolicismo pós-Vaticano II. O livro do jornalista William Kennedy "Lucifer’s Lodge" documenta evidências de que os Luciferianos infiltraram-se nos mais elevados níveis do establishment da Igreja Católica, e buscam formas de usar a Igreja Católica como veículo para a religião universal da Nova Era.

O amplamente conhecido erudito ex-Jesuíta Malachi Martin, profundo conhecedor do Vaticano e amigo pessoal de João XXIII e Paulo VI, escreveu inúmeros livros em torno do estado da Igreja desde o Vaticano II. Tem que ser ressalvado antes de mais que existem evidências inegáveis e abundantes de que Martin era ele mesmo um Luciferiano. No seu livro "The Keys of this Blood", que fala do papado de João Paulo II, Martin menciona um Missa Negra Satânica que foi celebrada no Vaticano depois da coroação de Paulo VI como papa (página 632).  O motivo pelo qual isto é importante é o facto dele ter conhecido pessoalmente esses papas.

Aleister Crowley.
A razão por trás disto encontra-se o facto dos Luciferianos operarem segundo um princípio que Crowley deu o nome de “revelação do método.” Uma vez que a maior parte dos ocultistas são dualistas gnósticos, eles acreditam que o bem e o mal são dois lados da mesma moeda; ambos são, importantes e necessários. Logo, não há motivo para não se jogar dos dois lados, digamos assim. A pessoa pode ser conservadora e com bons valores morais durante o dia, e durante a noite participar em rituais negros de Luciferianismo.

Neste importante livro com mais de 700 páginas, Martin debruça-se sobre o propósito dos ocultistas do Vaticano de controlar a ordem mundial emergente. Martin admite que não há dúvida nenhuma que a Igreja Católica apóstata, a "anti-igreja" como ela a chama, é o veículo primário através do qual as Nações Unidas e os anglo-globalistas tentam reunir todas as religiões numa só, onde a religião Ortodoxa é substituída pela paganismo e pelas tradições de controle em massa. É por isso que a Igreja Católica moderna tem que ser resistida a todo o custo; se ela não for resistida, ela iniciará o mundo no Luciferianismo. Só a Ortodoxia tradicional é a força motora com força suficiente para repelir a Nova Ordem Mundial. 

O Papel dos Estados Unidos 

Levar a cabo um combate de resistência, operando sob o manto da Constituição e dos valores americanos, é inútil na luta contra os Iluminati visto que, contrariamente ao que muitos americanos podem pensar, o país foi fundado por um aglomerado de deístas Protestantes influenciados pelo Iluminismo e por ridículas filosofias revolucionárias. Qual é, então, o papel dos EUA nisto? O papel dos EUA parece ser, como disse um filósofo político, "o promulgador benigno do governo mundial."

Os EUA são cavalo-de-corrida da elite: eles funcionam como o "Big Brother" das nações, inteligentemente buscando formas de estabelecer falsas "democracias" em países com ditaduras insignificantes como o Iraque que os próprios EUA financiaram e emprestaram dinheiro durante os anos 80 - treinando Saddam como um aliado.

A revolução tecnológica do génio dos melhores e dos mais inteligentes da América é a principal arma para objectivo final da NOM. O uso do grande motor de supercomputadores e da tecnologia sem-fios está, na verdade, a ser usada para estabelecer um controle ao estilo da Skynet [do filme "O Exterminador] onde a população mundial será reduzida em 90% devido à falsa religião do Clima Verde e da adoração da Terra.

A ascensão da Skynet.
Visto que as massas foram emburrecidas através desta cultura tóxica, da comida e da água envenenada, eles vão-se tornar ainda mais emburrecidos, mais dóceis e por fim, estéreis. Por essa altura, os robôs com inteligência artificial irão ser revelados para acabar com os últimos vestígios da humanidade biológica. Sem uma filosofia coerente e sem fé religiosa, a humanidade tornar-se-á susceptível à grande decepção da utopia e da salvação tecnológica. Esta grande promessa nunca será cumprida: na verdade, toda a Internet e toda revolução da rede inteligente foi feita precisamente para escravizar as massas após um longo período de "reconhecimento" através do rastreamento e da localização de tudo na rede desde a sua criação.

Sem uma metafísica religiosa, o homem é vítima da quantificação de todas as coisas, irracionalmente subjugado sob a onda de escravatura mecânica e "racional". O ídolo que é o produto das mãos humanos será exactamente o que o escravizará (em vez de o libertar). A solução para este dilema é explicado soberbamente pelo filósofo  Dr. Philip Sherrard aqui.

Desumanização através da escravização tecnologica.




sábado, 29 de Março de 2014

A hipocrisia de Jessica Valenti


Jessica Valenti é uma feminista americana popular, autora do post com o nome de "The Marriage Con" onde ela explica o porquê dela ser contra a instituição do casamento. Nele, ela começa por ressalvar que os conservadores têm defendido o casamento alegando que o mesmo ajuda a canalizar a agressividade e a sexualidade masculina para formas socialmente produtivas, e que isto gera benefícios emocionais para as mulheres. Ela não se preocupa em refutar estas alegações, preferindo em seu lugar afirmar:
A realidade dos factos é que esta nostalgia desesperada pelo casamento tradicional e pelos papéis sexuais antiquados nunca será mais forte que a vontade que as mulheres têm de serem livres das normas restritivas.
Mais uma vez, esta é a teoria da autonomia tal como promovida pelo liberalismo. Jessica Valenti decidiu que o bem primário da vida é ser autónoma (de se auto-determinar), consequentemente, ela não gosta do casamento tradicional uma vez que ele inclui papéis sexuais que são, de certa forma pré-determinados (e não auto-determinados).

Jessica Valenti escreveu noutro lugar o seguinte:
Os meus pais têm uma casamento maravilhoso, mas eles têm estado juntos desde que a minha mãe tinha 12 anos, casaram-se quando quase adolescentes e  raramente estão longe um do outro. Eles trabalham juntos. Como resultado disto, eu sempre vi o casamento como instituição que envolve a perda parcial da autonomia.
Note-se como o princípio da autonomia está acima de tudo o resto. Não interessa se o declínio do casamento coloca os homens num percurso errado; não interessa se o declínio do casamento deixa muitas mulheres sozinhas e tristes; aparentemente, também não interessa o facto dos seus pais terem desfrutado dum casamento maravilhoso baseado num forte sentido de fidelidade. O facto é que o casamento tradicional tem o potencial para restringir a sua autonomia, e como tal, Jessica rejeita a instituição do casamento, qualificando-a de "antiquada".

Mas a história tem um outro ângulo. Por volta de 2009 Jessica Valenti conheceu o homem do seus sonhos e casou-se. Ao tentar justificar a forma como ela harmonizou o seu feminismo anti-casamento com a sua decisão pessoal para se casar, ela disse:
Chegamos a um ponto da nossa vida onde desistimos de viver segundo um ideal feminista perfeito visto que nos sentimos sufocadas.
Não será esta uma excepção sem princípios? A realidade dos factos é que a maioria das pessoas nem sempre coloca a autonomia em primeiro lugar visto que, na vida, existem outros valores que podem ser levados em conta. Um desses valores é o desejo de casar e formar família e isso é necessariamente uma "norma restritiva" visto que ela envolve um compromisso só com uma pessoa, excluindo todas as outras. Isto significa também que aceitamos responsabilidades paternais que, em certas ocasiões, podem ser bem dispendiosas. Mas fazemos tudo isto com os olhos postos num bem maior. 

Jessica Valenti não consegue admitir isto visto que isso colocaria buraco enorme na sua crença na autonomia como o bem maior da vida, e como tal, ela justifica o seu casamento afirmando que se cansou de tentar viver segundo um ideal.





ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

PRINT