sexta-feira, 9 de agosto de 2013

O Marxismo Cultural e a "Arte" Moderna



É uma noção frequentemente mal entendida de que a arte "moderna" e "abstracta"  foi um desenvolvimento orgânico que emergiu na sociedade na sua batalha contra a "opressão" e contra a "arte folclórica" das classes mais baixas. Na verdade, a arte feia e degenerada teve as suas origens nos círculos Soviéticos e comunistas como meio de atacar a beleza estética.

Eu comento com frequência o facto da arquitectura “Bauhaus” ser comunista e isto gera surpresa nos ouvintes, mas os factos claramente demonstram que a "arte moderna" é quase toda ela uma invenção comunista e Soviética duma cultura específica como arma.

Para entender isto, temos que olhar para o Marxismo da Escola de Frankfurt, focada que estava na engenharia social e na destruição da cultura Ocidental. Uma cultura-arma era a ferramenta-chave para a destruição da estrutura social e dos valores sociais do Ocidente. Isto é também verdade em relação às transformações modernas da "arte" para a sua crítica interna niilista em torno do sentido, feito através do hipsterismo. O hipsterismo pode correctamente ser identificado como o florescimento pleno da teoria crítica de Theodore Adorno, particularmente em termos musicais. Adorno escreve:

O que a música entende é o sofrimento não transfigurado do homem . . . O registo sismográfico do choque traumático torna-se, ao mesmo tempo, a lei estrutural técnica da música. Ela proíbe a continuidade e o desenvolvimento. A linguagem musical é polarizada segundo os extremos, rumo a gestos de choque assemelhando-se a convulsões corporais, por um lado, e rumo à paralisação cristalina do ser humano a quem a ansiedade causa a que ele congele à medida que ela vai passando. ... A música moderna vê o esquecimento absoluto como o seu propósito. É a desesperada mensagem restante do desespero do náufrago.

Portanto, a música moderna está orientada rumo à destruição da ordem, da beleza, da forma e do significado - fazendo uma guerra a todos os elementos com o propósito de desorientar a psique do homem e destruir a sua visão do mundo. De facto, Adorno descreve-a como uma tentativa propositada de causar uma loucura:

Não se dá o caso da esquizofrenia estar directamente expressa dentro dela; mas a música assume sobre ela mesma a atitude similar a do mentalmente doente. O indivíduo traz sobre si a sua própria desintegração. . . . Ele imagina a realização da promessa através da música, mas mesmo assim dentro da esfera da realidade imediata. . . . . A sua preocupação é a de dominar os traços de esquizofrenia através da consciência estética. Ao fazer isto, ela tem a esperança de vincular a insanidade como a verdadeira saúde.

Os analistas Meyer e Steinberg comentam:

Adorno detalhou o seguinte: 1) despersonalização, a perda da ligação com o próprio corpot; 2) hebefrenia, que ele definiu como "a indiferença do corpo doente para com o mundo externo"; 3) catatonia ("um comportamento semelhante familiar junto de pacientes que se encontram sobrepujados com algum evento chocante"); e 4) necrofilia. Adorno declarou: "A pedofilia universal é a última perversidade do estilo."

Adorno foi recrutado, se assim se pode dizer, pelo Ocidente para desencadear uma guerra a nível global através do Marxismo cultural. Meyer e Steinberg comentam:

Um pianista promissor durante a sua juventude, Adorno estudou mais tarde sob a instrução do compositor atonal Arnold Schoenberg. Em 1946, enquanto ainda se encontrava nos EUA a trabalhar em favor do "Péssimismo Cultural" da Escola de Frankfurt, o antigo activo do Comintern Soviético (Comunista Internacional), agora a viver de forma abastada graças às Fundações da família Rockefeller e graças a outras fundações anglo-americanas, escreveu um livro infame com o título de, The Philosophy of Modern Music, uma diatribe dificilmente inteligível contra a cultura Clássica.

A Fundação Rockefeller promoveu a arte moderna globalmente, utilizando os serviços secretos ocidentais para espalhar a morte que é a arte abstracta. O The London Independent declara:

O governo dos EUA encontrava-se agora perante um dilema. Este filistismo (espírito de filisteu), combinado com as denûncias histéricas de Joseph McCarthy contra tudo o que era avant-garde ou não-ortodoxo, eram profundamente embaraçosos uma vez que desacreditavam a ideia da América como uma democracia sofisticada e culturalmente rica. Isto impedia também o governo Americano de consolidar a transladação da supremacia cultural de Paris para Nova York desde os anos 1930 do século 20. Para resolver este dilema, a CIA foi trazida.

A ligação não é assim tão estranha como se possa pensar. Por esta altura, esta nova agência, cheia de graduados da Universidade Yale e da Universidade Harvard (muitos deles colecionadores de arte e escritores de novelas no seu tempo livre) era um local totalmente entregua ao esquerdismo, especialmente se compararmos com o FBI de J. Edgar Hoover e o mundo político dominado pelo Senador McCarthy. Se existia alguma instituição bem colocada para celebrar uma colecção de Leninistas,  Trotskistas e os beberrões que faziam parte da "New York School", essa instituição era a CIA.

E,

Para prosseguir com o seu interesse clandestino na esquerda avant-garde americana,  a CIA tinha que se certificar que o seu patrocínio não era descoberto. “Os assuntos deste calibre só poderiam ser feitos após 2 ou três manobras," explicou o sr Jameson, “de modo a que não surgissem dúvidas em torno da ilibação de Jackson Pollock, por exemplo, ou fazer alguma coisa que envolvesse estas pessoas na organização. E não poderia ser nada mais próximo uma vez que a maior parte destas pessoa tinha muito pouco respeito pelo governo em particular, e nenhum respeito pela CIA,

Se fosse preciso usar pessoas que se consideravam, de uma forma ou de outra, mais próximas a Moscovo do que a Washington, bem, então se calhar é o melhor.”

(...)

Podemos ver claramente a rede de esgoto do Marxismo e da necrofilia da Escola de Frankfurt para ao lixo moderno e para insignificância hipster pós-moderna, O que estes hipsters não entendem é que a sua "filosofia" do vazio nada mais é que uma ferramenta de engenharia social  para os idiotas, que terá como consequência a destruição destes mesmos idiotas.




9 comentários:

  1. Acho bacana que alguns blogs que criticam a esquerda abordem o tema da arte moderna que está cada vez mais decadente e bizarra.

    Neste outro blog também tem algumas fotos sobre a arte "moderna", que curiosamente quase ninguém quis ver... preferiram ir a uma festa... mas atenção: não riam... é "arte": http://revoltagainst.wordpress.com/2013/01/07/the-party-has-overtaken-the-art-a-rant/

    Um detalhe interessante também, abordado no blog do Mr. X, que não podemos esquecer, é que a arte moderna, além de infantil, ela é criminosa: http://blogdomrx.blogspot.com.br/2008/06/arte-moderna-infantil-e-criminosa.html.

    ResponderEliminar
  2. Mais uma:

    Veja uma "obra de arte" que está "enfeitando" as praias do Rio de Janeiro: http://roberto-cavalcanti.blogspot.com.br/2012/09/jb-escultura-enfeita-orla-do-leblon.html

    Só discordo do Roberto: isso não parece um garrancho de aço... isso é um garrancho de aço e retorcido.

    ResponderEliminar
  3. Assistam ao documentário do filósofo inglês Roger Scruton, Why Beauty Matters, ele retrata muito bem essa degeneração da arte.

    ResponderEliminar
  4. isso apenas segue o mesmo padrão de "desconstrução"..a diferença é que vc´s quando roubaram a civilização dos pagãos desconstruíram o miolo pagão e mantiveram a casca nas esculturas cutolicas e cia..ja esses dai foram mais fanáticos que vc´s..não apenas queriam destruir o miolo, mas também a casca do apogeu clássico e há 51 anos vemos a merda toda..

    ResponderEliminar
  5. o oeste é uma sucessão de golpes que começa com vc´s roubando os pagãos..depois a burguesia golpeia vc´s, depois as gulags golpeiam vc´s no leste por que não podiam com a burguesia..depois a burguesia consegue destruir as gulags, mas não os anarcos e nem os resíduos das gulags..mas a própria burguesia acabou contaminada pela kgb que o mcarthy já dizia..então ta tudo praticamente perdido..

    ResponderEliminar
  6. http://www.youtube.com/watch?v=0Dt8ZFihbno

    ResponderEliminar
  7. agora comparemos com o leste pre-influencia do "oeste"/mc..a índia por mais que seu dna tenha decaido no pos-meso-medievo com as rotas do leste do congo, sahel oriental e cia, continuou com o seu mesmo sistema social de milênios anteriores..la não houve golpismos civilizacionais..a casta xátria sabia que precisava da brâmane e vice-versa pra um organismo pleno..mas no oeste a burguesia passou a se achar o todo e gerou estes que passaram a achar que a meia dúzia da alta cúpula estatal é o todo..degeneração atrás de degeneração..talvez o espirito da barbárie nunca abandonou a serio o ocidental..o leste com bem mais milênios de civilização nunca se deixou cair nessa..o ocidental bárbaro por já ter recebido a civilização de fora e não tê-la desenvolvido ela por si próprio na maior parte nunca conseguiu se adaptar a estes modelos de fora e sempre por isso mesmo acabou por tentar adultera-lo e gerar monstros cada vez piores derivados dos monstros anteriores..obvio que podemos agradecer também a judeia que nos deu o pior modelo existente no leste como alicerce podre..e ao congo que nos deu a pior contribuição que um dna não-ocidental pode dar a qualquer um dos hemisférios, vide o sul da ex-asia e cia..

    ResponderEliminar
  8. O Marxismo Cultural e a "Arte" Moderna tem seus contornos específicos na América Latina, mais propriamente no Brasil. Vivemos ainda hoje e talvez com mais intensidade os reflexos da Semana de Arte Moderna de 1922 e a atividade dos movimentos influenciados e financiados pela internacionalização da Revolução de 1917 da Russia. Tenho escrito sobre isso no ensaio http://valionel.blogspot.com.br/2010/12/da-semana-moderna-de-22-janeiro-de-2011.html que está publicado no blog http://valionel.blogspot.com.br/
    saudações
    Valionel Tomaz Pigatti

    ResponderEliminar

Os 10 mandamentos do comentador responsável:
1. Não serás excessivamente longo.
2. Não dirás falso testemunho.
3. Não comentarás sem deixar o teu nome.
4. Não blasfemarás porque certamente o editor do blogue não terá por inocente quem blasfemar contra o seu Deus.
5. Não te desviarás do assunto.
6. Não responderás só com links.
7. Não usarás de linguagem PROFANA e GROSSEIRA.
8. Não serás demasiado curioso.
9. Não alegarás o que não podes evidenciar.
10. Não escreverás só em maiúsculas.
-------------
OBS: A moderação dos comentários está activada, portanto se o teu comentário não aparecer logo, é porque ainda não foi aprovado.

ATENÇÃO: Não será aceite comentário algum que não se faça acompanhar com o nome do comentador. ("Unknown" não é nome pessoal).

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

PRINT